📖 Trip Journal

Foz do Iguaçu

📆 de 2022-12-03 a 2022-12-10

Confira a galeria completa da viagem!

O maior conjunto de quedas d’água do mundo. A segunda maior usina hidrelétrica do mundo. Tríplice fronteira internacional. Esta região, que é o terceiro maior destino de turistas estrangeiros no Brasil, é uma terra de superlativos.

Prometo que tentarei ser objetivo, mas é muito importante contextualizar algumas atrações e fatos, para não perdermos a perspectiva da grandeza dessa cidade.

O mapa abaixo é o resumo deste artigo. As marcações em vermelho foram indicações que nós recebemos, mas que não fomos. Ainda assim, como coletamos muitas dicas legais, achei legal repassar as recomendações.

Link para o mapa no Google Maps

Partindo deste quadro amplo, vamos falar sobre transporte. Apesar da grande oferta de táxi, Uber e empresas de turismo, optamos por alugar um carro para a semana. Considerando as idas à Argentina e a distância de alguns pontos, como Itaipú e o Parque Nacional, julgamos mais interessante.

Procuramos uma locadora que emitisse a documentação necessária para cruzar a fronteira. Supostamente, a única que possui isso previsto em contrato é a IguFoz. O escritório deles não fica no aeroporto, mas ofereceram transporte de/para. O atendimento via WhatsApp foi um pouco truncado, mas a empresa é séria e posso recomendar com segurança.

Notamos que, em toda a região, o Google Maps não foi tão assertivo quanto de costume. Alguns endereços errados, rotas incorretas e, especialmente, horário de funcionamento dos estabelecimentos. Se você tem algum restaurante ou estabelecimento em mente, a recomendação é você procurar fontes diretas, como perfil do Instagram ou WhatsApp, para programar-se corretamente.

Antes de apresentar as atrações que visitamos, uma sugestão geral: todos os tickets de entrada nós compramos online. A maioria das entradas são datadas, então você precisa ter o seu planejamento em ordem. Não acho que precise de muita antecedência.

Nós conhecemos rapidamente a Mesquita de Foz, apesar de não termos feito a visitação principal (por isso está em vermelho). Foz possui, proporcionalmente, a maior comunidade islâmica do Brasil.

O templo budista Chen Tien é uma visita rápida, mas agradável. O templo tem jardins que oferecem uma boa caminhada, repleto de estátuas. Foi construído em 1996 e é o segundo maior templo budista da América Latina.

Já o Marco das Três Fronteiras é um ponto completamente turístico. Renovado há poucos anos e sob nova administração, o marco é uma praça com boas opções de comida, linda vista para a junção dos rios Iguaçu e Paraná e para os marcos argentino e paraguaio. Há uma apresentação de dança que representa um pouco da história do local e da cultura dos três países. Imperdível, de verdade.

Vamos tratar com mais detalhes as cataratas e Itaipú.

Cataratas do Iguaçu

Os parques das cataratas, tanto do lado brasileiro quanto do argentino, são paradas obrigatórias para quem visita a região. Sendo uma das 7 Maravilhas da Natureza e tendo sido decretada patrimônio da humanidade em 1986, as cataratas são um destino de renome internacional.

O lado brasileiro pode ser apreciado em uma visita relativamente rápida. Você estaciona no centro de visitantes e é levado até as cataratas em ônibus do próprio parque. Há dois pontos de parada e um conjunto de passarelas que os liga. Você pode escolher onde começa o trajeto. O parque conta com uma estrutura completa, com restaurante, banheiros e até wifi nas áreas principais.

Para incrementar um pouco a visita, você pode conhecer o deslumbrante Hotel Belmond Cataratas. Infelizmente, hospedar-se nesse “palácio cor de rosa” estava fora do nosso orçamento, mas há outras opções interessantes para aproveitar o hotel.

Como fica dentro da área do parque, é preciso ter um ingresso válido para ir à propriedade. Nós programamos a ida ao parque e ao hotel no mesmo dia para evitar comprar dois ingressos diferentes.

Fizemos um piquenique no jardim no final da tarde e foi perfeito. Como a visitação ao parque encerra às 16h, terminamos o (muito bem servido) piquenique e caminhamos um pouco pelo parque, praticamente vazio.

Já o lado argentino é um programa de dia inteiro. O parque possui três trilhas principais que somam mais de 4km de percurso. Todos os caminhos são por passarelas e o parque tem ótima estrutura. É uma experiência muito mais imersiva da intensidade e grandeza das cataratas.

Foi no lado argentino que fizemos o passeio pelo rio, com a Iguazu Jungle. O passeio é muito legal, mas você sairá molhado – de torcer a meia.

As cataratas foram descobertas em 1541 por Álvar Nuñez Cabeza de Vaca. Ele estava em uma expedição que o levaria até Assunção. Sabe onde essa aventura começou? Em Florianópolis!

Itaipu

Segunda maior usina hidrelétrica do mundo e marco da engenharia dos dois países, a Itaipu é outro ponto imperdível.

Todos os passeios oferecidos podem ser encontrados no site oficial do Turismo Itaipu. Nós fizemos dois passeios diferentes: refúgio biológico e Itaipu iluminada.

O passeio do Refúgio Biológico Bela Vista é uma caminhada guiada, de 2km, pelo zoológico que abriga mais de 50 espécies diferentes de animais silvestres, resgatados e cuidados pelo instituto.

A visita da Itaipu iluminada começa com uma apresentação musical, seguida pela iluminação da barragem. Depois de um intervalo para fotos, o passeio é completado com uma volta pela barragem a bordo de um ônibus panorâmico.

Cada passeio possui particularidades de horários e dias. Certifique-se de verificar os detalhes do que você tiver mais interesse.

Recebemos indicação de algumas pessoas para o passeio de catamarã pela represa, ao pôr do sol. Infelizmente, ele não é mais oferecido há alguns anos.

Argentina

Um pouco sobre os hermanos, além das cataratas.

Cruzamos a fronteira duas vezes: domingo, antes das 9h da manhã, e quinta-feira, por volta das 19h. Em ambas as ocasiões enfrentamos grande fila na imigração argentina. Não tivemos nenhum tipo de problema burocrático, mas o atraso acabou atrapalhando alguns planos que tínhamos. Leve isso em consideração ao planejar idas para a Argentina.

A cidade de Puerto Iguazú não é exatamente um “destino turístico”, exceto para um objetivo: gastronomia. Por conta da fila na imigração, não conseguimos jantar no famoso La Toscana, mas conhecemos outros bons lugares. Estão todos no mapa.

Paraguai

Seguindo todas as recomendações que recebemos, deixamos o carro em um estacionamento próximo à Ponte da Amizade e fomos para o Paraguai a pé. Vendo um pouco do trânsito da cidade e a fila na ponte, reforço a recomendação.

Todas as principais lojas (no mapa!) estão em um raio de 1km, então não precisamos de outro meio de transporte por lá.

A visita é levemente estressante e não serve como passeio. Se você quer ir ao Paraguai para fazer compras, você precisa fazer uma pesquisa prévia e saber exatamente a loja e o produto que você quer. Ir ao Paraguai como quem vai passear no shopping não é indicado.

Visitamos algumas lojas dentro do Shopping Paris e fiquei surpreso: em todas as lojas de eletrônicos (drone, celular, câmera) que fui, Pix era aceito como forma de pagamento – e com um câmbio bastante favorável. Se você trabalhar com essa alternativa, terá vantagem na negociação.

Orçamento

Nossa viagem foi de sete dias, mas não precisa de tanto tempo para visitar Foz do Iguaçu. Acho que quatro dias cheios são suficientes para um bom passeio.

Divisão das categorias do orçamento

Nosso orçamento ficou em R$713 por pessoa/dia. Ao passo em que gastamos acima da média em restaurantes, nossa hospedagem e bilhetes aéreos foram consideravelmente baratos.

As atrações não tem muita margem de mudança. Transporte, por outro lado, pode ser diluído se você viajar em mais pessoas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *